YouTube fecha o cerco e vai banir publicidade em vários vídeos

O YouTube continua com seu projeto de “faxina” na plataforma e anunciou essa manhã que irá banir a veiculação de publicidade em vários vídeos.

A mudança de regras vai atingir duramente os usuários que publicam vídeos controversos, que propaguem um discurso de ódio ou que exponham personagens do entretenimento em situações inadequadas.

“Nós ouvimos alto e claro da comunidade de criadores e dos anunciantes que o YouTube precisa ampliar nossas regras para conteúdo amigável para anunciantes em volta de alguns tipos adicionais de conteúdo”, explica o YouTube em seu comunicado. Os vídeos que se enquadrarem nessas novas classificações não serão banidos da plataforma, enquanto seguirem a política de uso corretamente, mas serão impedidos de exibir anúncios e monetizar seu conteúdo. O comunicado segue explicando o que significa cada uma das novas categorias:

  • Conteúdo de ódio: Conteúdo que promova discriminação ou desvalorização ou humilhação de um indivíduo ou grupo de pessoas baseado na raça, etnicidade, origem, nacionalidade, religião, deficiências, idade, status de veterano, orientação sexual, identidade de gênero do indivíduo ou do grupo ou outras características associadas com discriminação ou marginalização sistemáticas.
  • Uso inapropriado de personagens de entretenimento familiar: Conteúdo que exponha personagens de entretenimento familiar engajados em atos violentos, sexuais, vis ou outros comportamentos inapropriados, mesmo se feito com propósitos cômicos ou satíricos.
  • Conteúdo incendiário ou desrespeitoso: Conteúdo que seja gratuitamente incendiário, inflamatório ou desrespeitoso. Por exemplo, conteúdo em vídeo que utilize linguagem gratuitamente desrespeitosa que envergonhe ou insulte um indivíduo ou grupo.

O YouTube também atualizou sua página de suporte com o guia completo sobre as regras e políticas que regem a publicação de anúncios e o que caracteriza um conteúdo amigável para anunciantes. Por enquanto, o novo manual não está disponível em Português.

 

Queremos saber sua opinião