Microsoft apresenta suas previsões para 2016 e 2026

Chega o final do ano e tarólogos, jogadores de búzios, astrólogos e outros “especialistas” tentam decifrar como será o ano seguinte. A Microsoft preferiu perguntar a 16 pesquisadores como será 2016… e 2026 também!

Cada um destes pesquisadores está trabalhando agora em diferentes setores da Microsoft Research na tecnologia que será usada na próxima década. Todas as suas previsões estão disponíveis na página oficial da empresa.

2016 é um ano especial para a divisão Microsoft Research, já que marca seu aniversário de 25 anos desde sua criação em 1991, por Bill Gates. Atualmente, com mais de 1000 cientistas e engenheiros trabalhando ao redor do mundo, é o grande laboratório de onde saem inovações para a Microsoft. Segundo seu vice-presidente corporativo Peter Lee, vivemos em “uma nova Era Dourada do desenvolvimento tecnológico”.

Para Bill Buxton, Diretor de Pesquisas, 2016 será o ano em que “anotações e desenhos baseados em stylus irão assumir uma posição amplamente suportada e apropriada no mosaico de formas como interagimos com dispositivos digitais” e destacou que a Microsoft já imaginava isso 14 anos atrás, quando lançou o malfadado Tablet PC.

Lili Cheng, Engenheira e Gerente Geral, vê um 2026 onde crianças irão às escolas para programar e criar as experiências que serão utilizadas no dia a dia e a sociedade terá um controle maior sobre as tecnologias que impactam suas vidas. Para o próximo ano, Cheng espera a próxima etapa da evolução dos assistentes pessoais, que irão “nos ajudar a rir e sermos mais produtivos”.

Jasmin Fisher, Pesquisadora Senior, acredita que em 2026 “o câncer será um problema solucionado graças a abordagens revolucionárias e interdisciplinares que permitirão aos pesquisadores e médicos computar os mecanismos que regem o câncer, assim como compreender, detectar, diagnosticar e tratar pacientes a um nível individual”. Para Fisher, o novo campo da biologia executável irá “desempenhar um papel fundamental em superar esse enorme desafio”.

Hsiao-Wuen Hon, vice-presidente da Microsoft Research Asia, aposta no desenvolvimento de formas de inteligência artificial para o ano que vem, como assistentes de mensagens e acredita que o HoloLens irá dominar o mercado em 2026, se tornando tão comum que será utilizado no cotidiano, na educação, no mundo dos negócios e em outras áreas.

Krysta Svore, Pesquisadora Senior, é especialista em computação quântica e acredita que em 2026 será possível se conectar com um computador quântico na nuvem para se obter soluções de problemas que a computação convencional não consegue resolver, como a simulação complexa de sistemas físicos e químicos.

Queremos saber sua opinião