Microsoft anuncia o Windows 10 S

Durante uma conferência focada em Educação nessa terça-feira, a Microsoft revelou o Windows 10 S, uma nova versão do sistema operacional destinada a novos dispositivos Surface.

O objetivo da empresa é lutar contra a hegemonia dos Chromebooks em salas de aula nos Estados Unidos, com uma combinação econômica de Windows e notebooks 2 em 1.

Ao contrário do que se poderia imaginar, o “S” do nome do novo Windows 10 não é uma abreviatura nem de “Student” (“estudante”, como era de se esperar), nem de “Special” (“especial”, como costuma ser em produtos que trazem essa letra). De acordo com a apresentação do novo sistema, a letra representa “security, simplicity and superior performance” (“segurança, simplicidade e performance superior” em Português). Terry Myerson, Diretor da divisão de Windows e Dispositivos arriscou um “soul” (“alma”) para explicar o “S” também.

Mas, para o consumidor final, o “S” vai acabar significando “Store”. Ao contrário das outras versões do Windows 10, a nova edição para o mercado educacional está profundamente conectada com a Store da plataforma: nenhum aplicativo que não passe pela loja virtual da Microsoft poderá ser instalado no Windows 10 S e o bloqueio não é opcional e tampouco pode ser desabilitado. A empresa justifica a decisão como uma forma de assegurar a estabilidade e a segurança do sistema.

Felizmente, a migração para versões mais robustas e menos restritivas do sistema operacional será facilitada pela Microsoft. Qualquer upgrade do Windows 10 S para o Windows 10 Pro terá custo zero para educadores que desejaram fazer a atualização e custará somente US$49 para todos aqueles que porventura adquirirem um dispositivo com o sistema pré-instalado, mas não trabalhem com Educação.

Os primeiros dispositivos Surface equipados com o Windows 10 S devem chegar ao mercado ainda nesse semestre, com preços começando em US$189. A meta é clara: oferecer uma solução fechada, fácil de operar, com um número limitado de aplicações controladas, acessível para estudantes e professores e relativamente potente para competir em pé de igualdade com os Chromebooks.

Atualmente, pesquisas revelaram que a adoção da plataforma Windows no mercado estudantil dos Estados Unidos caiu para 22% enquanto o Chrome OS expandiu seu alcance de 50% do mercado para 58% entre 2015 e 2016. A nível global, os números praticamente se invertem, com a Microsoft na liderança.

Queremos saber sua opinião