John Carmack abre processo milionário contra ZeniMax

Um dia é da caça, outro é do caçador: a mesma ZeniMax Media que acusou John Carmack de roubar tecnologia de Realidade Virtual agora vai sentar no banco dos réus em um processo aberto pelo desenvolvedor.

O pioneiro dos jogos eletrônicos exige 22,5 milhões de dólares de dívidas, alegando que a ZeniMax não teria pago ainda o valor acertado pela venda da desenvolvedora de jogos id Software, desde 2009.

Segundo o processo aberto na Justiça norte-americana, a ZeniMax fechou a compra da desenvolvedora responsável por clássicos como Doom e Quake pelo valor de US$150 milhões, dos quais US$45 milhões seriam destinados a Carmack, um dos fundadores da empresa. Metade do preço foi convertido em ações da ZeniMax mas a outra metade do preço acertado ainda não teria sido pago, seja em dinheiro ou ações comuns, apesar de constantes solicitações por parte de Carmack.

Carmack permaneceu na id Software até 2013, quando se retirou para se dedicar em tempo integral à função que ocupava dentro da Oculus, para o desenvolvimento do headset de Realidade Virtual Oculus Rift. A ZeniMax sustenta que o desenvolvedor levou para a outra empresa tecnologias proprietárias da id Software que teriam sido fundamentais para a criação da plataforma da Oculus e processou tanto Carmack quanto a Oculus e até o Facebook, dona da Oculus, nos tribunais, obtendo uma vitória parcial recentemente.

Carmack alega que o processo contra a ZeniMax não é uma retaliação contra as acusações anteriores. Mas ele acredita que a postura da empresa de não cumprir o pagamento devido é uma reação a uma percepção equivocada de que ele teria roubado segredos industriais, ao sair da id Software e ido trabalhar na Oculus. No julgamento realizado em Fevereiro, o júri decidiu que não foi praticado desvio de documentos ou tecnologias por parte de Carmack e apenas os fundadores da Oculus foram considerados culpados de outras acusações.

 

 

Queremos saber sua opinião