Governo americano adverte contra o uso e carregamento do Galaxy Note 7 em aeronaves

O inferno astral da Samsung continua: a Federal Aviation Administration (FAA), órgão que regula a segurança dos voos nos Estados Unidos, está recomendando que passageiros não usem nem deem carga no Galaxy Note 7 em aeronaves.

A recomendação é resultado do risco de explosão da bateria no smartphone da Samsung que teria motivado a empresa sul-coreana a acionar um recall das unidades vendidas.

A FAA também recomenda que os passageiros não transportem o Galaxy Note 7 em bagagens que serão embarcadas. As determinações são duras, mas não são ainda uma proibição total do transporte do dispositivo móvel, como já aconteceu com três empresas aéreas da Austrália: Qantas, Jetstar e Virgin Australia não irão permitir de forma alguma que passageiros usem ou façam carga desses celulares à bordo.

A Samsung não se manifestou oficialmente sobre as recomendações da FAA, mas essa não é a única batalha que a empresa terá que travar em solo americano. A entidade de defesa dos direitos de consumidor Consumer Reports está criticamente fortemente a forma como o recall está sendo conduzido no país, onde ainda é possível encontrar revendedores comercializando o produto, apesar da suspensão das vendas feita pela Samsung.

De acordo com a Consumer Reports, a empresa sul-coreana falhou ao não acionar a U.S. Consumer Product Safety Commission (CPSC), órgão da administração pública norte-americana responsável pela proteção dos consumidores. Com o envolvimento oficial da CPSC, a venda do Galaxy Note 7 seria proibida nos Estados Unidos durante o período do recall e isso ajudaria a preservar a segurança dos usuários.

Na opinião de especialistas, a Samsung deverá ter um prejuízo de um bilhão de dólares na operação de recolhimento do smartphone, mas o risco maior para a empresa é justamente a perda da credibilidade junto ao consumidor. Em uma semana que sua maior rival anunciou o iPhone 7, a Samsung definitivamente está tendo um início de Setembro bastante amargo.

Queremos saber sua opinião