Google demite engenheiro que criou manifesto contra política de diversidade

Os holofotes da mídia se voltaram para o Google nesse final de semana, mas pelos motivos errados: um documento de dez páginas escrito por um de seus engenheiros tecia duras críticas à política de diversidade da empresa.

Mas o memorando criado por um certo James Damore não estava pedindo por mais diversidade e oportunidades iguais para ambos os sexos entre a força de trabalho do Google e sim o exato oposto.

O texto circulou dentro da empresa durante dias, mas um vazamento para a imprensa expôs os pensamentos de Damore e sinalizou a existência de uma mentalidade até então oculta dentro das fileiras do Google, a despeito de todos os seus esforços para criar um ambiente de trabalho livre de preconceitos, com igualdade entre os sexos e aberto para todos. Sem papas na língua, Damore sustenta que existiriam diferenças biológicas entre homens e mulheres que estas estariam menos propensas a buscar funções na área de tecnologia.

O engenheiro também defendeu que a manutenção de políticas que tentem reduzir a diferença entre os sexos seria prejudicial para a cultura da empresa e que haveria descriminação contra pensamentos conservadores. A lenta reação do Google à divulgação do memorando levantou dúvidas entre os defensores da igualdade entre gêneros e minorias sobre o ponto de vista da empresa como um todo, geralmente sempre associada a proteger esses ideais dentro e fora de suas paredes.

Danielle Brown, recém-nomeada Vice-Presidente para Diversidade do Google, ofereceu uma resposta tépida à polêmica. Ela respondeu, após o vazamento do texto, que o ponto de vista do funcionário não reflete de forma alguma o ponto de vista do Google, entretanto, “parte do ato de se construir um ambiente aberto e inclusivo significa cultivar uma cultura onde aqueles com visões alternativas, incluindo diferentes visões políticas, possam se sentir seguros em compartilhar suas opiniões”.

Na medida em que o caso foi ganhando repercussão, Sundar Pichai, CEO do Google, assumiu o controle da situação e demitiu James Damore por violação do código de conduta da empresa. Em um comunicado enviado a todos os funcionários, Pichai alertou que o documento escrito pelo engenheiro cruzou a linha ao “promover perigosos estereótipos de gênero em nossa força de trabalho” e destacou que “sugerir que um grupo de nossos colegas tem características que os tornam biologicamente menos adequados para aquele trabalho é ofensivo e não é OK”.

Mas o dano gerado por Damore já está feito. Nos grupos de mensagens internos de funcionários do Google há um racha entre aqueles que condenaram seu manifesto e aqueles que apoiaram suas ideias. Enquanto isso, grupos contrários ao denominado “politicamente correto” o elegeram como uma espécie de herói. Ao que tudo indica, esse assunto está longe de ser encerrado com sua demissão.

Queremos saber sua opinião