FBI está usando o Twitter para monitorar atividades suspeitas

Apesar das preocupações com questões de privacidade e espionagem, foi descoberto que o FBI está utilizando o Twitter para monitorar atividades suspeitas em tempo real.

A agência norte-americana tem acesso à ferramenta Dataminr que permite a visualização de fluxo bruto das mensagens enquanto elas estão sendo publicadas e oferece filtros por palavras-chave.

Entretanto, a prática fere os termos de uso do Twitter para desenvolvedores, que especifica que o acesso aos dados do serviço não pode ser utilizado para fins de monitoramento ou espionagem. A situação fica mais confusa quando se leva em conta que o Twitter bloqueou o Geofeedia de acessar a API da rede social pelos mesmo motivos. O Geofeedia utilizava o recurso para rastrear e identificar usuários de forma similar à adotada pela Dataminr, mas para clientes privados.

Mas o Dataminr aparentemente desfruta de um status especial dentro do Twitter: a rede social possui 5% de participação nas ações da startup, que é oficialmente a principal terceirizada com acesso ao fluxo de dados bruto do sistema. O próprio FBI reconhece sua importância em documentos encontrados pelo site The Verge: “Dataminr é o único Official Twitter Data Partner certificado com acesso direto proprietário ao completo ‘jorro do Twitter’ o que permite que ele ofereça alertas em tempo quase real de notícias urgentes e eventos”.

O contrato entre o FBI e o Dataminr foi fechado na semana passada. Em um comunicado, a empresa afirma que “Dataminr não é um produto que permite vigilãncia”, embora até Maio deste ano  o serviço tenha sido utilizado em larga escala pela CIA, até o próprio Twitter revogar o acesso da agência baseado na cláusula de monitoramento. Até o momento, nem o Twitter, nem o Dataminr detalharam como o FBI não viola a política de uso do fluxo de dados.

Queremos saber sua opinião