Facebook quer acabar com chamadas que enganam os usuários

Quem nunca clicou em uma chamada “bombástica” no Facebook apenas para descobrir que o texto não correspondia àquilo que se esperava?

Esse truque conhecido como clickbait, ou “isca de cliques” em bom Português, está com os dias contados na rede social através da implementação de algoritmos que avaliam as chances da chamada ser exagerada.

Esse é um problema contra o qual o Facebook vem lutando desde 2014 e qualquer um pode atestar que a situação não melhorou muito em sua linha do tempo. Mas, em Agosto do ano passado, a empresa intensificou seus processos de filtragem e detecção das chamadas sensacionalistas para tentar mais uma vez colocar um fim nessa prática. A iniciativa original contemplava apenas países de língua inglesa, mas agora o sistema está sendo implementado em outras regiões e o Brasil foi escolhido como uma das linhas de frente dessa guerra contra os clickbaits.

“Nós vemos o ‘caça-clique’ como uma tática para dar a impressão de que a história é maior do que realmente é. Isso confunde as pessoas, e elas nos dizem que estão frustradas e desapontadas com esse tipo de publicação”, desabafou Greg Marra, gerente de produto no Facebook, em uma entrevista concedida ao site G1.

O sistema que está sendo implantado é parecido com filtros de spam em serviços de e-mail, buscando elementos facilmente identificáveis em chamadas sensacionalistas. “Nós temos uma equipe no Facebook que categorizou centenas de milhares de manchetes como sendo ‘caça-clique’ ou não seguindo esses critérios. Se elas exageram ou omitem detalhes de uma história”, explica Marra. A partir daí, um algoritmo é treinado para marcar automaticamente, sem a intervenção humana, chamadas que podem tentar iludir o usuário sobre sua importância.

As postagens marcadas como isca de cliques não são omitidas do Facebook ou mesmo sinalizadas visualmente, mas perdem relevância na linha do tempo, podendo aparecer bem abaixo das postagens normais ou mesmo não aparecer para determinados usuários.

Queremos saber sua opinião