Facebook nega influenciar tendências de notícias

Rumores recentes indicavam que o Facebook poderia estar manipulando os resultados das tendências de notícias nos Estados Unidos, mas a empresa negou veementemente essa informação.

Um comunicado oficial emitido pelo Vice-Presidente do Facebook para Buscas afirma que “não há evidências” de manipulação e que a rede social possui registros de atividades e um código de neutralidade.

Os boatos foram iniciados a partir de uma reportagem publicada no Gizmodo, cujas fontes anônimas afirmavam ter trabalhado como curadores de conteúdo para o feed de notícias e tendências do Facebook e que teriam praticado manipulação, suprimindo determinadas notícias, pautas ou mesmo fontes de informação seguindo critérios puramente ideológicos. Esses ex-funcionários chegaram a acusar a empresa de orientar a promoção de notícias que ainda não eram populares para incentivar cliques em assuntos de relevância da administração.

Entretanto, uma reportagem publicada pelo New York Times rebateu essas alegações. O jornal teve acesso a outros contratados que trabalharam na curadoria das notícias destacadas no Facebook que informaram que a seleção era baseada somente em credibilidade percebida de fontes, em ambos os lados do debate político. Segundo o que foi apurado pelo jornal, ainda que a seleção fosse motivada por um julgamento pessoal, ela seguia critérios.

Após uma negativa morna inicial, o Facebook assumiu uma postura mais rígida em relação aos rumores que culminou com o pronunciamento de Tom Stocky, Vice-Presidente do Facebook para Buscas, na própria rede social: “não encontramos qualquer evidência de que as alegações anônimas são verdadeiras”.

Stocky continua: “Facebook é uma plataforma para pessoas e perspectivas de todo o espectro político. Existem normas rigorosas em funcionamento para o time de análise para assegurar consistência e neutralidade. Essas normas não permitem a supressão de perspectivas políticas. Nem tampouco permitem a priorização de um ponto de vista sobre outro ou uma fonte de notícias sobre outra. Essas normas não proíbem qualquer noticiário de aparecer no Trending Topics”.

De acordo com o executivo, o “Trending Topics foi criado para exibir a conversação atual acontecendo no Facebook. Tópicos populares emergem inicialmente por algoritmo, então são auditados por um time de analistas para confirmar se os tópicos são realmente tendência no mundo real ou não”.  E frisa mais uma vez: “nós não inserimos histórias artificialmente nas tendências e não instruímos nossos revisores para fazer isso”.

Queremos saber sua opinião