Desenvolvimento do OpenOffice está perto de ser encerrado

Criado para ser uma alternativa open source ao Microsoft Office, o Apache OpenOffice hoje luta para se manter de pé, mas já planeja sua aposentadoria.

O grupo responsável pela manutenção da suíte de aplicativos anunciou que estuda uma forma de encerrar o desenvolvimento e muitos recomendam que os usuários migrem para o LibreOffice.

A decisão difícil foi tomada em virtude da falta de investimentos e de programadores interessados em participar do projeto. Não há recursos nem mesmo para corrigir vulnerabilidades críticas encontradas na suíte. Uma falha de segurança detectada em 21 de Julho só foi consertada mais de trinta dias depois, em 30 de Agosto. Nesse período, foi recomendado o uso do fork LibreOffice, da Document Foundation, como solução para os usuários.

A saia justa foi a gota d’água para os responsáveis pelo OpenOffice. Segundo o vice-presidente da entidade, Dennis Hamilton, essa falta de agilidade para responder a um problema de segurança se tornou uma “questão séria”.

Hamilton também avisou em um e-mail enviado para os participantes do grupo que cuida do Apache OpenOffice que “é da minha opinião que não existe um suprimento preparado de desenvolvedores que tenham a capacidade, a competência e a vontade para complementar a cerca de meia dúzia de voluntários que estão segurando o projeto”. Os prognósticos são pessimistas par ao futuro: “eu não posso prever como isso vai se resolver”. E declara textualmente: “o cancelamento do projeto é uma possibilidade séria”.

Em seguida, Hamilton traça um plano detalhado sobre como encerrar o OpenOffice, desde o fechamento de contas de mídia social até o destino do código-fonte. Nos últimos anos, muitos desenvolvedores migraram para a equipe responsável pelo LibreOffice. A opinião de influentes membros da comunidade open source é pelo fim do OpenOffice, em favor do seu fork. Mas muitos integrantes da equipe do OpenOffice são desfavoráveis ao fim das atividades e acreditam que a entidade deveria buscar novos investidores.

Queremos saber sua opinião