Curta-metragem perturbador mostra os riscos de privacidade de um smartphone

O que um smartphone sabe sobre você e pode revelar sobre o seu cotidiano? A resposta para essas perguntas é o resultado de um curta-metragem gravado a partir de um celular roubado.

Find My Phone documenta a vida do ladrão através de um aplicativo de monitoramento escondido no sistema operacional, que tira fotos, grava ligações e registra vídeos.

A ideia partiu do estudante de cinema holandês Anthony van der Meer, após ter seu smartphone roubado. De uma hora para outra, ele se viu sem acesso a suas fotos, contatos e mensagens, mas ganhou a curiosidade de saber o que acontece no submundo do furto. Então, ele instalou um aplicativo camuflado chamado Cerberus, difícil de remover, fácil de ocultar e que permite o controle remoto do aparelho e espionagem. Foi apenas uma questão de tempo até a isca ser roubada nas ruas de Amsterdam, onde acontecem 17 furtos de smartphones por dia.

Ainda que o ladrão tenha trocado o chip SIM do aparelho, van der Meer ainda foi capaz de acompanhar seus passos por meses graças ao aplicativo escondido. Foram tiradas fotos da vida do criminoso (que não é identificado no curta-metragem), assim como vídeos e gravações de áudio sem o seu conhecimento.

O documentário acaba funcionando menos como uma visão do submundo do crime ou da vida de um estranho anônimo na multidão e mais como um sinal de alerta para os potenciais riscos dos smartphones. Aplicações maliciosas com os mesmos recursos que o Cerberus ou até mesmo mais complexas podem estar em atividade agora, transformando os aparelhos que fazem parte da vida da maioria das pessoas em uma janela involuntária para vigilância.

O curta-metragem foi o projeto de graduação de van der Meer na Willem de Kooning Academy em Junho de 2015, mas só foi postado no YouTube na semana passada. Em questão de dias, conseguiu alcançar quase 4.5 milhões de visualizações na internet. Atualmente, o cineasta está trabalhando em um novo projeto de uma série de documentários, também envolvendo o uso de tecnologias no nosso cotidiano.

 

Queremos saber sua opinião