Crise política bate recorde de aparições no Twitter

A crise política estabelecida pela delação premiada da JBS provocou mais menções no Twitter brasileiro do que qualquer outro tema já abordado antes.

A Diretoria de Análises Políticas da FGV (DAPP) contabilizou mais de dois milhões de citações envolvendo o caso, apenas entre as 19h de quarta-feira (17) e as 17h de quinta-feira (18).

De acordo com o relatório divulgado pela DAPP, em apenas uma hora, após o primeiro pronunciamento do Presidente da República Michel Temer, foram geradas cerca de 200 mil menções e a frase “não renunciarei” foi uma das mais comentadas pelos usuários brasileiros do Twitter. Ao longo de todo o período de quase 24 horas apurado, termos como “Fora Temer”, “impeachment” e “eleições diretas” também apareceram com bastante destaque, assim como o nome dos políticos envolvidos em acusações.

Esses são números que superam outros grandes momentos políticos recentes que mobilizaram os usuários do Twitter no país. Com dois milhões de citações, a nova crise está na frente do número de 1.526.658 menções relacionados ao dia do impeachment da ex-Presidente Dilma Rousseff na Câmara, em 17 de abril de 2016; assim como supera também o volume de 1.460.160 menções relativos à greve geral organizada no mês passado.

Entretanto, a DAPP ressalta que o momento atual se distingue dos anteriores por não apresentar a mesma divisão dos internautas. Se nos dois grandes eventos do passado havia claramente opiniões opostas em debate nas redes sociais, o relatório de agora aponta que a crise política deflagrada na semana passada “não apresenta a polarização comumente observada em discussões políticas no Twitter”.

Ainda segundo a Fundação Getúlio Vargas, o cenário parece concretizar “uma onda de insatisfação e indignação, tendo o Palácio do Planalto como alvo, e confirma tendências recentes, em que uma maioria sem coesão em torno de um ator ou posição política, para além da oposição aos acusados, assume protagonismo político.”

O relatório completo da DAPP está disponível para download na íntegra (PDF).

Queremos saber sua opinião