Comandante da Samsung é preso na Coreia do Sul

Lee Jae-yong, presidente em exercício da Samsung, foi preso no início da manhã de sexta-feira na Coreia do Sul após um novo mandato de prisão concedido pela Justiça.

O executivo é acusado de suborno, apropriação indevida e perjúrio em um esquema de corrupção que também afeta funcionários do governo e foi o pivô do processo de impeachment da presidente do país, Park Geun-hye.

As autoridades que investigam o caso já haviam tentado obter uma ordem de prisão para Lee, há um mês, mas o executivo conseguiu manter-se em liberdade enquanto o processo continuava. Entretanto, após um interrogatório que durou 15 horas nessa segunda-feira, a Justiça alegou que foram apresentadas novas evidências contra o executivo e um novo mandato de prisão foi expedido e executado pela polícia nessa sexta-feira.

O executivo de 48 anos é alvo de uma investigação onde é acusado de envolvimento em pagamento de subornos, feitos pela Samsung a Choi Soon-shil, um assessor e amigo da Presidente Park Geun-hye. O objetivo da transação seria obter vantagens na liberação de uma fusão no país. As autoridades acreditam que foram pagos o equivalente a mais de US$40 milhões de um caixa dois da Samsung.

Lee Jae-yong está no comando efetivo da gigante sul-coreana desde 2014, quando um ataque cardíaco provocou o afastamento por motivos de saúde de seu pai, Lee Kun-hee, do cargo de presidente da empresa. Até o momento, a Samsung não se posicionou oficialmente sobre a prisão do seu comandante ou sobre quem irá ocupar o cargo até o julgamento de Lee.

Queremos saber sua opinião