Apple publica carta aberta aos usuários contra exigência do governo dos Estados Unidos

A Apple publicou em seu site uma carta aberta aos usuários explicando os motivos de se recusar a atender uma demanda do governo dos Estados Unidos e conclamando a todos sobre um debate sobre privacidade e criptografia.

A carta está online e é assinada por Tim Cook, CEO da empresa. Ele afirma que exigência do FBI é “um passo sem precedentes que ameaça a segurança de nossos usuários”.

Na mensagem, Cook declara que a Apple sempre se preocupou com a segurança dos dados dos usuários de seus produtos e adota a criptografia em seus dispositivos como uma ferramenta de proteção. “Nós acreditamos que é a única forma de manter essa informação segura. Nós até mesmo colocamos esses dados fora do nosso próprio alcance, porque acreditamos que o conteúdo do seu iPhone não é da nossa conta”.

Mas as investigações envolvendo o atentado terrorista em San Bernardino colocaram a Apple em rota de colisão com o FBI. Em 2 de Dezembro do ano passado, um casal de muçulmanos foi o responsável pela morte de 14 pessoas em um tiroteio em uma cidade da California. Os autores do atentado foram mortos durante a perseguição policial, mas as autoridades ainda buscam conexões com outras células terroristas dentro do território americano.

A Apple afirma ter feito tudo que era possível para auxiliar os investigadores a obter informações dos iPhones dos terroristas. Na carta aberta, Tim Cook elogia a atuação do FBI, mas revela que foi exigida a criação de uma versão especial do iOS capaz de contornar a criptografia e, na prática, desbloquear qualquer iPhone em posse do governo.

Embora o FBI tenha se comprometido a utilizar essa “chave-mestra” somente nos dispositivos recuperados no caso San Bernardino, a Apple teme que a tecnologia desenvolvida possa ser utilizada em larga escala e minar os esforços da empresa em salvaguardar a privacidade e os dados de todos os seus usuários.

Segundo a Apple, esse programa de desbloqueio não existe ainda, mas o FBI está utilizando um ato legal do século XVIII para forçar a empresa a desenvolvê-lo. “O governo está pedindo à Apple para hackear seus próprios usuários e sabotar décadas de avanços de segurança que protegem nossos clientes”, escreve Cook.

O CEO tem medo do rumo que as coisas estão tomando: “o governo poderia estender essa brecha de privacidade e exigir que a Apple construa programas de monitoramento para interceptar suas mensagens, acessar seus dados médicos ou financeiros, ou mesmo acessar o microfone do seu telefone ou a câmera sem o seu conhecimento”.

A carta termina com um desafio:

Nós estamos nos recusando a atender as demandas do FBI com o mais profundo respeito pela democracia americana e amor por nosso país. Nós acreditamos ser do melhor interesse de todos recuar e considerar as implicações.

Embora nós acreditemos que as intençoes do FBI são boas, seria errado para o governo nos forçar a construir uma porta de acesso dos fundos em nossos produtos. E, definitivamente, nós tememos que essa demanda iria minar as mesmas liberdades que nosso governo pretende proteger”.

Queremos saber sua opinião