Como se livrar de ransomwares

Quando se é atingido por um ransomware, o alvo normalmente só tem dois caminhos: pagar o resgate (geralmente no valor de alguns milhares de reais) e torcer para o cibercriminoso honrar o sequestro ou simplesmente formatar o disco e perder tudo (talvez recuperando de um backup).

Entretanto, em Julho deste ano, autoridades policiais europeias em parceria com a Intel Security e com a Kaspersky Lab, lançaram a iniciativa No More Ransom, criando um portal que oferece chaves capazes de desbloquear arquivos e orientações para se evitar novas infecções.

Desde então, o site conseguiu ajudar mais de 6.000 vítimas, que foram capazes de recuperar seus arquivos sem precisar pagar financiar o crime cibernético e passou a contar com trinta novos parceiros, incluindo outros nomes de peso da segurança digital, como a Trend Micro e a Bitdefender. Já são dezenas de variantes de ransomwares que podem ser derrotadas através da iniciativa.

Para utilizar o No More Ransom basta visitar o site oficial (disponível em Português de Portugal) e clicar na opção “SIM“.

Na tela seguinte, haverá instruções para que a vítima envie dois dos arquivos criptografados afetados pelo ransomware, assim como o endereço de email ou site de internet que consta na mensagem de resgate dos criminosos (é possível também enviar o .txt ou .html contendo a mensagem original na íntegra).

crypto-sheriff

Será realizada a partir daí uma análise da ameaça, para se verificar o que pode ser feito para auxiliar a vítima a recuperar seus arquivos e remover o ransomware do sistema. As instruções a partir deste ponto podem variar de acordo com o tipo de malware envolvido. Confira uma explicação do processo:

Lembrando que a iniciativa não é infalível, mas “o projeto No More Ransom acabou de começar mas estamos a trabalhar continuadamente com outras empresas de segurança e agências de autoridade de forma a identificar o maior número de chaves possíveis, para o maior número de variantes de ransomware possíveis”, como informa a página de perguntas e respostas.

Queremos saber sua opinião